O caso dos Beagles e a visão realista de um pesquisador

O assunto vem tomando uma proporção muito grande e estou vendo muitas “inverdades” publicadas na mídia e na internet, a grande população nunca entrou em um lugar de pesquisa e não ideia de como é um ambiente controlado. Como já trabalhei em um laboratório de pesquisa por um tempo conheço bem esse meio e sei que a maioria das publicações não são verdadeiras, deixo aqui um relato de um pesquisador brasileiro “gabaritado” chamado Wagner Montor sobre o caso:

Pesquisas-laboratorio-Paulo-Manaus-parcerias_ACRIMA20120401_0013_15

Os vários animais de uma mesma história
Quando eu morava nos EUA, sentia que os cientistas eram ultra-respeitados. Eram a referência máxima na sociedade para todos os temas científicos, o que é de se esperar…..que os cientistas sejam consultados sobre os temas científicos. Me sentia admirado, em alguns lugares até me sentia um pouco “bicho de circo”, pois chegavam a chamar outros pra virem me ver: “olha, vem aqui ver, tem um cientista da Harvard aqui em casa hoje”. Claro que isso não era em Boston, porque em Boston, cientista da Harvard é o que mais tem, mas em cantos outros, quando exposto à população leiga, era assim. Aconteceu mais de uma vez. Na França, tive a mesma impressão. Já no Brasil, país que tanto me encanta, infelizmente não é assim. Assim como os professores não são valorizados, nem os médicos (vide o que está acontecendo), os cientistas também não são. O Brasil não é um país que valoriza os seus profissionais e todo o desenvolvimento se dá por iniciativa pessoal, abnegação, obstinação. Não há incentivo popular, incentivo este que se destina exclusivamente aos jogadores de futebol, às dançarinas do funk, artistas globais e por ai vai. Me sinto desvalorizado pela população geral (e não sou apenas eu, mas todos meus amigos cientistas), desde o dia que comecei a fazer estágio de iniciação científica, ainda na graduação. Desde esta época que, embora trabalhasse dia e noite, sustentado por bolsas ridiculamente menores do que qualquer salário de estagiário de qualquer área, tenho que escutar comentários do tipo: Você não trabalha, só estuda? Nossa, você estuda o tempo todo? Que nerd! Nossa, que coisa de louco que você faz, isso não é vida. Fim de semana no laboratório? Enfim, apoio popular não é necessariamente importante, mas agora!!! Agora, foi o auge!!! Agora temos “ataques” da população contra a pesquisa científica. Em nenhum momento vi alguém dizer “gente, são cientistas, eles sabem o que estão fazendo. Nós não entendemos da área, mas vamos confiar neles, que afinal de contas, estudaram tanto tempo. Se alguém tiver curiosidade, no meu caso, entre a graduação e o pós-doutorado, foram 13 anos de estudos, boa parte fora do Brasil. Não sei qual é a imagem de cientista que as pessoas têm na cabeça. Como podem pensar que mal tratamos os animais, sendo que se os animais estiverem minimamente estressados ou infelizes, todos os resultados da pesquisa são alterados. Estes animais vivem muito melhor no laboratório do que em muito apartamento por ai, de gente que têm os animais pra enfeite e diversão no fim do dia, mas não se importam de os animais ficarem sozinhos no calor durante o dia. Ou vai me dizer que você deixa as janelas abertas e o ar condicionado ligado pro seu cãozinho? No laboratório controlamos tudo, inclusive temperatura.

Mesmo se convencendo de que não há alternativa ao uso de animais de laboratório, as pessoas continuam postando coisas sem cabimento. Parece um movimento cego. As pessoas não se importam de estarem fazendo papel de ridículas opinando sobre algo que não conhecem. Eu ficaria profundamente constrangido de postar coisas sobre arquitetura, porque não é minha praia. Falta esta noção, me parece!
O documento do avaaz.org chove no molhado e propõe uma série de coisas que já existem. Minimizar uso de animais com fins didáticos? Isso já é feito. Este minimizar chega a zero em grande parte das vezes. Usar modelos alternativos para o que é possível e desenvolver mais destes? Isso já é feito. Estabelecer comitês que avaliem os projetos que pretendem utilizar animais? Isso já existe e são os duríssimos comitês de ética em pesquisa animal. Em post anterior eu já expliquei que há testes que podem e devem ser feitos in vitro e testes que só podem ser feitos em animais. Também já expliquei que dada a complexidade dos seres vivos, nunca chegaremos a substituir por completo a experimentação em animais. Está lá, com exemplos, mas as pessoas continuam preocupadas com o que fazer com os beagles roubados, ou com a vitrine da loja de Londres que fez uma exposição chocante e ridícula sobre pesquisas em animais, dizendo que eles não fazem. Massa de manobra….é isso que vocês são e vão continuar sendo. Eu NUNCA vi ao longo destes meus quase 20 anos na pesquisa, nada semelhante ao que vocês estão dizendo que acontece e usando para trazer mais gente para este movimento burro e ignorante.

Agora indo para um lado mais pessoal, informo que estou colocando todos vocês que estão bravamente levantando esta bandeira da ignorância contra a ciência e a medicina em um grupo seleto. Um grupo seleto de pessoas pra quem não preciso mais informar sobre medicamentos, especialistas, tratamentos quando me pedem. Frequentemente me perguntam coisas sobre tratamentos próprios e de seus parentes. De agora em diante, não posso mais dizer nada para estes, porque tudo que sei é baseado em estudos com animais, todos os especialistas que conheço e para quem poderia referí-los, executam procedimentos desenvolvidos com base em pesquisas em animais e as instituições todas por onde já passei, seguem a ciência correta como deve ser e leva em consideração as pesquisas feitas em animais.
Na minha opinião, a humanização dos animais, tornando-os parte da família, com direito a festas, vontades e “opiniões” e ao mesmo tempo a animalização do ser humano, sendo proposto que criminosos sejam usados para “qualquer coisa” é assunto que merece muita atenção. Não sou da área da psiquiatria, mas me parece que há uma inversão de valores ai digna de estudos, digna de tratamento. Mas como disse, não é minha área, portanto não quero opinar. R E F L I T A M O S !!!

Anúncios

Sobre Piero Lourenço

Biomédico em 2006, atuou em pesquisa científica no Instituto de Medicina Tropical da Faculdade de Medicina USP – LIM 48. Tem experiência na área de Imunologia Cardíaca com ênfase em Imunologia Aplicada (Doença de Chagas e Tuberculose). Habilitado em Patologia Clínica e Imunologia pela Faculdade de Medicina USP (2007) e MBA em Gestão de Negócios no IBMEC RJ (Instituto Brasileiro Mercados e Capitais). Atualmente trabalha para a Boston Scientific na área de estimulação cardíaca artificial com vasto conhecimento em cirurgia eletrofisiologia/ablação, implante de marcapasso e válvula cardíaca.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

11 respostas para O caso dos Beagles e a visão realista de um pesquisador

  1. Nenhum ser vivo sofre com carinho e isto aposto não ter em nenhum laboratorio.

    • Carlos disse:

      Meu Deus, para e reflita tudo o que você usa pricipalmente de cosméticos é testado em animais não tem outra opção, vai testar em robo você é um robo? RETARDA PENSA!

    • Andressa disse:

      Vai apostar e vai perder dinheiro, querida!
      De novo: qual é a imagem de cientistas que vocês tem na cabeça?

      • Vai perder a aposta mesmo, eu sempre dei carinho para todos os animais que lidei em pesquisas, até galinha eu pegava no colo e fazia cafuné..rsrs Todo mundo em sã consciência gosta de bichos, povo sem noção, acha que pesquisador é psicopata

  2. Kelly Monteiro disse:

    Não gosto de me envolver nesse tipo de debate mas visto o grau que isto chegou, preciso
    expor minha opinião. Quando encontramos um animal na rua ou mesmo em casa que foi maltratado por seres humanos, fica claro a mudança no seu comportamento. O animal passa a desconfiar do ser humano, se torna agressivo e hostil, alguns videos no youtube mostram o animal repudiando pessoas.. E esses beagles não mostram esse comportamento, me parecem bem doceis por sinal. Sou contra a pesquisa em animal mas a verdade seja dita não estão sendo mal tratados, não querer a pesquisa clínica é uma coisa mas não podemos caluniar os pesquisadores e tratadores desses bixos.

  3. Adriana Rubia disse:

    Estava tentando dar crédito acima da média para o texto, mas infelizmente a frase final: “Na minha opinião, a humanização dos animais, tornando-os parte da família, com direito a festas, vontades e “opiniões” e ao mesmo tempo a animalização do ser humano, sendo proposto que criminosos sejam usados para “qualquer coisa” é assunto que merece muita atenção. Não sou da área da psiquiatria, mas me parece que há uma inversão de valores ai digna de estudos, digna de tratamento” realmente acabou com tudo. Realmente a questão não é a inversão de valores, mas sim valores iguais. Você e eu somos tão animais nesse planeta. Vc sofre tanto quanto eles. Essa superiorização do ser humano é que está acabando com o planeta. Infelizmente é um caminho sem volta. Realmente vc acha que a escória humana, que prejudica, mata e faz atrocidades por prazer, vale mais que um animal que está nesse mundo fazendo parte da biodiversidade e não para ser um instrumento de estudos e análises das pessoas. Precisamos de remédios, cosméticos etc? Sim, precisamos , mas talvez não tantos qto as indústrias nos entopem a fim de fazer a roda da capitalização girar. Muito mais do mesmo somente plantando necessidades cada vez mais desnecessárias nesses seres humanos ditos inteligentes.

    • Osmário Jr disse:

      “Muito mais do mesmo somente plantando necessidades cada vez mais desnecessárias nesses seres humanos ditos inteligentes.” Perfeito Adriana!! Compartilho da mesma opinião!

  4. Marcos disse:

    Tem uma coisa que me despertou curiosidade…
    Porque os santos ativistas protetores levaram todos os beagles, e deixaram todos os ratos?
    Por acaso rato não é animal, e não merece respeito? Engraçado…

    • Osmário Jr disse:

      Engraçado é o fato de você dar opinião sem conhecimento de causa. Você estava lá pra ver o que aconteceu? Pela sua falácia, tenho certeza que não…

  5. Pessoal.. concordando ou não percebo que as pessoas estão pensando melhor sobre esse fato e isso me deixa feliz… afinal, todos nós usamos o benefício da ciência de uma certa forma. Acho que devemos investigar com cuidado o que está acontecendo sem julgar. Opiniões são sempre bem vindas. Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s